afinal o que sao talentos e para que servem 3
Afinal o que são os Talentos e para que servem?
28 de agosto de 2016
a era dos talentos nas empresas
A Era dos Talentos nas Empresas
28 de agosto de 2016
Exibir tudo

Inovar e empreender… Sempre!

inovar e empreender sempre 3

Em time que está ganhando, se mexe ou não se mexe?

O time de futebol do Brasil durante muitos anos foi considerado o melhor do mundo. Pentacampeão! Orgulho nacional!

Só que este orgulho ficou ferido pela derrota na copa mundial quando a Alemanha fez bonito e o Brasil feio feio!

O que aconteceu?

Foi descoberto depois que a Alemanha trapaceou e a FIFA se vendeu.

Mas será a única razão? Claro que não! O time da Alemanha estava visivelmente melhor preparado que o do Brasil.

Situações como esta são vistas todos os dias em todos os tipos de equipe no mundo!

O refrão “Não se mexe em time que está ganhando” deve ser refeito para “ganhando ou não vamos melhorar sempre”. Bernardinho ficou famoso como treinador esportivo por ter este lema. Se o time ganhava, ele logo convocava todos para seguir treinando.

inovar e empreender sempre

A fórmula do sucesso do Bernardinho é: Talentos certos nas posições certas e muito treino, trabalho de equipe e vacina anti-ego hahahaha!

Espero que o time de futebol do Brasil aprenda com a fórmula do Bernardinho.

O time que jogou na copa era muito jovem, e caiu na armadilha de confiar demais e se achar o máximo! Estrelismo do ego que acabou desinflando como bexiga furada!

A importância dos líderes

Era uma vez um pequeno grupo de profissionais apaixonados pelo circo que se apresentava nas ruas de uma pequena cidade no Canadá. Eles eram diferentes de outros circenses de rua porque amavam o que faziam de tal forma que treinavam mais do que a média.

Eles sabiam que precisavam se preparar para conseguir realizar aquele sonho que estava alinhado com seus talentos e paixões.

E precisavam fazer coisas diferentes que impressionassem e os destacassem. Assim, conseguiram atrair uma oportunidade: foram convidados pela prefeitura de Montreal para se apresentar no aniversário da cidade.

Sua apresentação foi tão impactante e diferente que conseguiram investidores para financiar a realização do sonho de transformar o mundo através dos espetáculos.

Viajaram pelo mundo com seu primeiro espetáculo, depois criaram um circo fixo no Canadá e depois foram criando novas equipes.

Você possivelmente já se deu conta de que estou falando do Cirque du Soleil, esta incrível organização promove um espetáculo de excelência, com duas ou três equipes em um mesmo espetáculo, que acontecem com cenas diferentes e simultâneas no palco. Nas ocasiões em que assisti pessoalmente os espetáculos do Cirque fiquei encantado com  isso.  Cada  espectador  assiste  a  um  espetáculo  diferente,  dependendo  de  que  cena escolhe  assistir  em  cada  ato. E  assistir  de  novo  a  um  espetáculo  significa  assistir  a  outro espetáculo pois você pode escolher se enfocar em outras cenas. Fantástico, certo?

Guy La liberté desafiou continuamente a trupe a ir além do “normal” e juntos criaram um circo sem animais, baseado na união multidisciplinar (acróbatas, atores, músicos, dançarinos, palhaços, cantores, cenógrafos, coreógrafos etc.) e em mostrar que coisas impossíveis eram possíveis, e que estavam dispostos a realizar coisas muito arriscadas, como a de fazer proezas aéreas sem rede nem cabo de segurança.

Atualmente mais de 2 mil pessoas trabalham no Cirque du Soleil. São 50 nacionalidades compondo a equipe. Que multicultural!

O que une a todos é a missão, a visão de futuro e os 5 valores principais: paixão, comprometimento, trabalho de equipe, criatividade e responsabilidade social e ambiental.

Assisti a uma palestra com a vice-presidente de recursos humanos do Cirque e fique feliz em saber que quando contratam as pessoas para qualquer função na empresa, elas devem necessariamente estar motivadas e engajadas com a missão, a visão de futuro e os valores principais da organização.

Inclusive faz parte do contrato de trabalho cada um dedicar uma % de seu tempo para praticar alguma arte dentro da organização. Não importa se a pessoa trabalha no financeiro, na limpeza ou no comercial.

Por fim, Guy La liberté vendeu o Cirque du Soleil e se dedica a outro projeto alinhado com seus ideais e sonhos. Que líder inspirador! Obrigado Guy!